“Dia do Músico” é motivo de vergonha no Brasil

Hoje é "Dia do Músico". Sei que você deve ter enviado "mensagens poéticas" para os seus amigos que tocam em alguma banda por intermédio das redes sociais, parabenizando-o por este dia e por seu trabalho. Tudo lindo e maravilhoso, a não ser por um detalhe: você sabe realmente como é a vida de um músico no Brasil?
Se você não sabe a resposta, pergunte a qualquer pessoa que trabalhe com música no Brasil a respeito de como é a luta pela sobrevivência e a manutenção de sua carreira como instrumentista. Aposto que a resposta, se for sincera, será estarrecedora, principalmente se você acredita na (falsa) aura de glamour que toda classe artística emana.
Saiba que trabalhar com música — e com arte em geral — no Brasil é conviver diariamente com desrespeito profissional. Se instrumentistas e artistas consagrados estão sempre às voltas com a falta de profissionalismo de empresários, contratantes de shows, promotores e demais profissionais envolvidos, imagine quem se sujeita a ganhar cachês ridículos tocando em bares e casas noturnas em qualquer cidade do País?
Músico, assim como qualquer outro empregado, vive do seu trabalho, mas a queda brutal do mercado musical em termos culturais vem minando a subsistência, sobrevivência e sustentabilidade em toda cadeia de trabalho profissional.
Quer um exemplo recente? Teve gente nos últimos tempos usando a organizações de festivais e mostras de música como vitrine para marketing de empresas e até mesmo governos, usando verbas obtidas por meio de editais públicos, estaduais, municipais e federais. Ou seja, dinheiro público. Só que na hora de pagar os músicos, a desculpa era sempre a mesma: "não há cachê para artistas e músicos convidados, já que a simples presença no evento é uma 'divulgação' de seu trabalho para um público que não o conhece". Todo mundo recebia uma grana — do organizador ao faxineiro -, menos o músico. Ou seja, as bandas pagavam para tocar! Deprimente, não?
Ainda bem que a gritaria contra este descalabro foi tamanha que várias destas "organizações" implodiram, frustrando o desejo de muita gente em galgar vários andares na busca por uma carreira política, o que certamente propiciaria mais e mais verbas das quais os músicos continuariam a não ver um tostão.
Se você soubesse a quantidade de músicos que se sujeita a ganhar cachês indignos para tocar em qualquer tipo de circunstância — shows em bares e casas noturnas, coquetéis, festas de casamento, gravações, turnês etc - para conseguir meios para a sua sobrevivência, sua mensagem hoje deveria ser de lástima para aqueles que, bravamente, tentam levar um pouco de arte até as pessoas...
Por Regis Tadeu, No Yahoo Noticias

About Queimadas No Foco

Queimadas No Foco
Recommended Posts × +

0 comentários:

Postar um comentário